TREINAMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

NR 05 – TREINAMENTO DE CIPA

 

CIPA PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DIFERENCIAL!

A CIPA – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES tem por objetivo zelar pela saúde e a vida dos trabalhadores onde prevenindo acidentes de trabalho. Atende a NR 5 da portaria 3.214/78 e tem seu treinamento classificado tanto para a implantação da CIPA com eleição e todo o processo normal e também para empresas que não precisam ter uma CIPA implantada, porém devem possuir um trabalhador DESIGNADO para esse fim.

Carga horária do treinamento é de 20 horas e podemos fazer o treinamento IN COMPANY ou EAD, porém atuamos em todo Brasil!

NR 6 – TREINAMENTO DE EPI

 

SUA EMPRESA PRECISA DE TREINAMENTO DE EPI?

A NR-06 prevê a obrigatoriedade da realização do treinamento para os funcionários que utilizem qualquer tipo de EPI, a fim de capacitar e orientar os trabalhadores quanto à necessidade e uso correto dos equipamentos, visando garantir sua segurança e integridade física.

Esse treinamento é obrigatório a todos os colaboradores que utilizam EPI – Equipamento e Proteção Individual durante a sua jornada de trabalho, de forma contínua ou intermitente.

 

O treinamento ministrado pelos consultores especializados em segurança do trabalho da CF3 possui o seguinte conteúdo programático:

– Definições da Norma Regulamentadora nº 6;

– Conceitos de EPIs;

– Tipos de EPIs;

– Orientação e treinamento quanto ao uso adequado, guarda e conservação dos Equipamentos de Proteção Individual.

 

NR 10 – TREINAMENTO DE SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

 

SUA EMPRESA PRECISA TRINAR SEUS TRABALHADORE QUE TEM ATIVIDADE COM ELETRICIDADE?

O curso NR-10 básico trata das medidas de segurança em instalações e serviços em eletricidade. A certificação é obrigatória para todos os profissionais que trabalham direta ou indiretamente com baixa e/ou média tensão. O curso básico tem 40 horas de carga horária.

 

Conteúdo programático:

1. – Introdução à segurança com eletricidade;

2. – Riscos em instalações e serviços com eletricidade;

3. – Técnica de análise de riscos;

4. – Medidas de controle do risco elétrico;

5. – Normas técnicas brasileiras;

6. – Regulamentações do MTE;

7. – Equipamentos de proteção coletiva;

8. – Equipamentos de proteção individual;

9. – Rotinas de trabalho – procedimento;

10. – Documentação de instalações elétricas;

11. – Riscos adicionais;

12. – Acidentes de origem elétrica;

13. – Proteção e combate a incêndios;

14. – Primeiros socorros;

15. – Responsabilidades.

 

O curso SEP é complementar ao NR-10 Básico que atende à Portaria 3.214/78 do MTE e trata do Sistema Elétrico de Potência (SEP). A certificação é obrigatória para todos os profissionais que trabalham direta ou indiretamente em sistemas de alta tensão, acima de 1000 volts. O curso tem 40 horas de duração.

Conteúdo programático:

1. – Organização do sistema elétrico de potência;

2. – Organização do trabalho;

3. – Aspectos comportamentais;

4. – Condições impeditivas para serviços;

5. – Riscos típicos no SEP e sua prevenção;

6. – Técnicas de análise de riscos no SEP;

7. – Procedimentos de trabalho (análise e discussão);

8. – Técnicas de trabalhos sob tensão;

9. – Equipamentos e ferramentas de trabalho;

10. – Sistemas de proteção coletiva;

11. – Equipamentos de proteção individual;

12. – Posturas e vestuários de trabalho;

13. – Segurança com veículos e transporte de pessoas, materiais e equipamentos;

14. – Sinalização e isolamento de áreas de trabalho;

15. – Liberação de instalação para serviço, operação e uso;

16. – Treinamento em técnicas de remoção, atendimento e transporte de acidentados;

17. – Acidentes típicos;

18. – Responsabilidades.

 

NR 12 – SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

 

A capacitação dos operadores de máquinas atende à NR 12 da Portaria 3.214/78 e deve abranger duas etapas, a fim de permitir a operação segura:

• Descrição e identificação dos riscos associados com cada máquina. Emissão de relatório validado por responsável técnico devidamente habilitado;

• Aplicação dos treinamentos com carga horária de 8h.

 

Conteúdo programático

• Reconhecimento dos riscos e medidas de proteção;

• Inspeção e manutenção;

• Proteção na utilização da máquina ou equipamento;

• Segurança para riscos mecânicos, elétricos e outros relevantes;

• Métodos de trabalho seguro;

• Permissão de trabalho;

• Sistema de bloqueio de funcionamento da máquina e equipamento durante operações de inspeção, limpeza, lubrificação e manutenção;

NR 18 – INTEGRAÇÃO CONSTRUÇÃO CIVIL

 

PRECISA DE TREINAMENTO DE NR 18 – INTEGRAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL?

Todos os empregados devem receber treinamentos admissional e periódico, visando a garantir a execução de suas atividades com segurança.

O treinamento admissional deve ter carga horária mínima de 6 (seis) horas, ser ministrado dentro do horário de trabalho, antes de o trabalhador iniciar suas atividades:

 

Conteúdo Programático:

1 – informações sobre as condições e meio ambiente de trabalho;

2 – riscos inerentes a sua função;

3 – uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual – EPI;

4 – informações sobre os Equipamentos de Proteção Coletiva – EPC, existentes no canteiro de obra.

 

O treinamento periódico deve ser ministrado:

a) sempre que se tornar necessário;

b) ao início de cada fase da obra.

Nos treinamentos, os trabalhadores devem receber cópias dos procedimentos e operações a serem realizadas com segurança.

NR 23 – BRIGADA DE INCÊNDIO

 

VAMOS TREINAR SUA BRIGADA DE INCÊNDIO!

O objetivo deste treinamento é estabelecer as condições mínimas para a composição, formação, implantação, treinamento e reciclagem de uma brigada de incêndio. E também os requisitos mínimos para o dimensionamento da quantidade necessária de bombeiros civis para atuação em edificações e áreas de risco no Estado de São Paulo, na prevenção e no combate ao princípio de incêndio, abandono de área e primeiros socorros.

Os profissionais da brigada de incêndio devem estar preparados para, em caso de sinistro, proteger a vida e o patrimônio, reduzir os danos ao meio ambiente, até a chegada do socorro especializado, momento em que poderá atuar no apoio.

Critérios básicos para seleção de candidatos a brigadista

 

Os candidatos à função de brigadista devem atender, preferencialmente, aos seguintes critérios básicos:

• Permanecer na edificação durante seu turno de trabalho;

• Experiência anterior como brigadista;

• Possuir boa condição física e boa saúde;

• Possuir bom conhecimento das instalações, devendo ser escolhidos preferencialmente os funcionários da área de utilidades, elétrica, hidráulica e manutenção geral;

• Ser maior de 18 anos;

• Ser alfabetizado.

A carga horária depende da característica do treinamento, que pode ser de nível Básico, Intermediário ou Avançado, de acordo com a Instrução Técnica do CBPMESP.

 

Conteúdo programático:

• Introdução (Objetivos do curso e dos brigadistas);

• O que é fogo;

• Triangulo do fogo;

• Teoria do fogo (Combustão, seus elementos e a reação em cadeia);

• Propagação do fogo;

• Classes de incêndio;

• Métodos de extinção;

• Agentes extintores;

• Extintores de incêndio;

• Técnicas de combate a incêndio com extintores;

• Procedimentos básicos em locais de Incêndio;

• Sistemas fixos de combate a incêndio;

• Sistemas de detecção, alarme e comunicações;

• Ferramentas de salvamento;

• Técnicas de combate a incêndio com uso de mangueiras e hidrantes;

• Exigências legais quanto à instalação, localização e sinalização dos extintores de incêndio e hidrantes;

• Pessoas com mobilidade reduzida;

• Procedimentos básicos em locais de Incêndio;

• Riscos específicos da planta e Prevenção de incêndio;

• Plano de Emergência;

• Procedimentos para abandono de área e controle de pânico. Instruções.

NR 33 – SEGURANÇA EM ESPAÇO CONFINADO

 

PRECISA DE TREINAMENTO DE NR 33 – SEGURANÇA EM ESPAÇO CONFINADO?

“Espaço confinado” é qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.

A NR-33 – Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação dos espaços confinados, do reconhecimento, da avaliação, do monitoramento e do controle dos riscos existentes, de forma a garantir permanentemente a segurança e saúde dos trabalhadores que interagem direta ou indiretamente nestes espaços.

Ao término do curso da NR-33, a NSA emitirá e concederá ao trabalhador um certificado contendo o seu nome, o conteúdo programático, a carga horária, a especificação do tipo de trabalho e espaço confinado, a data e o local de realização do treinamento, com as assinaturas dos instrutores e do responsável técnico. Uma cópia do certificado será entregue à empresa, para fins de arquivamento.

 

A capacitação inicial dos trabalhadores autorizados e Vigias deve ter carga horária mínima de dezesseis horas, ser realizada dentro do horário de trabalho, com conteúdo programático de:

• – Definições;

• – Reconhecimento, avaliação e controle de riscos;

• – Funcionamento de equipamentos utilizados;

• – Procedimentos e utilização da Permissão de Entrada e Trabalho;

• – Noções de resgate e primeiros socorros.

 

A capacitação dos Supervisores de Entrada deve ser realizada dentro do horário de trabalho, com o seguinte conteúdo programático:

• – Identificação dos espaços confinados;

• – Critérios de indicação e uso de equipamentos para controle de riscos;

• – Conhecimentos sobre práticas seguras em espaços confinados;

• – Legislação de segurança e saúde no trabalho;

• – Programa de proteção respiratória;

• – Área classificada;

• – Operações de salvamento.

Todos os trabalhadores autorizados, vigias e supervisores de entrada deverão receber capacitação periódica a cada 12 meses, com carga horária mínima de 8 horas.

 

Além disso, a NR-33 dispõe que o empregador deve desenvolver e implantar programas de capacitação sempre que ocorrer qualquer das seguintes situações:

• – Mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

• – Algum evento que indique a necessidade de novo treinamento;

• – Quando houver uma razão para acreditar que existam desvios na utilização ou nos procedimentos de entrada nos espaços confinados ou que os conhecimentos não sejam adequados.

 

GERENCIAMENTO DE RISCOS OCUPACIONAIS

NR 35 – TRABALHO EM ALTURA

 

PRECISA TREINAR SEUS COLABORADORES PARA TRABALHAR EM ALTURA?

A NR 35 determina que o empregador deve promover programa de segurança no trabalho para capacitação dos colaboradores à realização de trabalho em altura.

Só é considerado capacitado para exercer as atividades em altura quem foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com carga horária mínima de 8 horas.

 

Conteúdo programático:

1- Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;

2 – Análise de Risco e condições impeditivas;

3 – Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle;

4 – Equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso;

5 – Acidentes típicos em trabalhos em altura;

6 – Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros.

 

O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:

1 – Mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

2 – Evento que indique a necessidade de novo treinamento;

3 – Retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;

4 – Mudança de empresa.